terça-feira, 26 de outubro de 2010

O Alterego I: L-7

Sete. Número ímpar e primo. O sete é um numero diferente dos outros. Está presente com simbolismos dirferentes em várias culturas espalhadas pelo mundo de forma tão regular e constante que dá a impressão de que realmente o sete tem algo de especial. Só pra citar alguns exemplos temos 7 cores do espector solar, 7 notas musicais, 7 mares, 7 maiores continentes, 7 dias da semana, 7 maravilhas do mundo, 7o. dia de descanso, os 7 pecados capitais e os 7 anões.

Olá! Meu nome é Gustavo. Sim! Gustavo com "G", sétima letra do alfabeto. O nome "Gustavo", por sinal, também possui sete letras. Meu nome completo "Gustavo Lima O'Dwyer" tem dezessete letras. Coincidência? Talvez. Inclusive porque eu nasci no dia 17. 17/10/1991. Opa! 17 do 10 (10+17=27) de 1991 (1+9+9+1=20).
27-20=7. 1+7+1+0+1+9+9+1=29. 29... 2+9=11 (não serve), mas 2-9=-7.

— Ah! Mas dezessete é bem diferente de sete e você forçou muito e viajou pra chegar a esses resultados.


É. Talvez, mas tente você fazer isso com seu nome.


O 7 também é associado à sorte. O chamado sete da sorte, ou lucky seven, é muito utilizado em jogos de dado. 
Ah, sim! Minha altura? 1,77.

Eu, não por causa do sete, me considero uma pessoa de sorte. Uma sorte meio que relativa, mas, tendo em vista que acontecimentos ruins que me ocorreram não foram assim tão ruins e que tudo poderia ter sido muito pior, eu considero sorte. Afinal meio azar é quase uma sorte inteira. Então desse tal lucky seven eu tirei o "L-7". Eu tirei não. Ele surgiu .




O "L-7" é um alterego meio vagabundo. Preguiçoso, não liga muito para as coisas. Ele quer mais que tudo se foda mesmo. Gosta de desenhar na mesa, jogar truco e andar de skate. Ele é meio rebelde com uma influênciazinha punk. Atrapalha bastante em relação aos estudos e se eu não o controlo já era.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

pseudo-soneto da sereia

A roda chamou a sereia
Batendo no rítmo do mar
Ela veio e se deitou na areia
Cansada de tanto nadar

O menino a viu na maré cheia
E a visão fez-lhe faltar o ar
O canto vindo dos lábios da sereia
Fez o menino se encantar

Mas não é culpa da sereia
De olhos e cabelos negros molhados do mar
Se o menino criado na areia

Se arrisca e se joga tentando nadar
Não é culpa da sereia
Se ela parte e o encanto faz o menino se afogar

I'm Sorry

        Wrongs and mischiefs should be forgiven with a simple apology, but, more important than that, stupidity should be forgiven when the smallest glance of sadness appears on the idiot´s face.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Jeitinho Mensaleiro

Em tempos de eleições resolvi postar uma redação que fiz outro dia.

        Muito se fala hoje sobre a corrupção política no Brasil. Novos métodos de combate, novas leis e resoluções são criadas e tomadas num esforço frustrado do governo de erradicar esse mal que aflige o país desde o início de sua existência. Existe, porém, um grande problema: não se pode combater a corrupção como a um sintoma, pois ela é a sua própria causa e não se pode combater a causa graças à existência dos sintomas. A corrupção vive e persiste num ciclo.
        O clichê "jeitinho brasileiro" é uma ótima forma para se definir a corrupção praticada nas terras tupiniquins e é um recurso utilizado por pessoas de todos os segmentos sociais independente do grau de instrução. Vais desde formas de conseguir benefícios para si próprio (obras superfaturadas ou carteiras de habilitação falsificadas) até caminhos alternativos e ilegais para se aprovar as medidas e reformas do governo (mensalão). A cada patamar que o indivíduo corrompido sobe, almenta com ele o nível de inescruplosidade dos seus crimes contra o país e a população.
        Os poucos candidatos honestos que conseguem ser eleitos são sufocados por raposas velhas da política que trazem consigo seus filhotes de oportunistas de uma nova geração de políticos negligentes e carreiristas. É esse grupo que gera a corrupção-sintoma, que impede que medidas sejam tomadas para acabar com o cliclo vicioso porque estão diretamente ligados aos grupos beneficiados com a política pública corrupta. Política que impede a ascensão e expressão das classes populares que, por serem mais numerosas, é quem tem o poder de mudar a estrutura onde hoje se proliferam os crimes políticos.
        Precisa-se de uma revolução de pensamento e consciência para mudar a forma antiquada de se administrar o governo. Desde o século XIX não mudam os personagens, apenas os atores quem interpretam cada vez melhor o seu papel: busca de benefício próprio.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

A proposta aê, ó

   Pessoas têm idéias incríveis, criativas, artísticas e muitas vezes guardam isso para si, e só para si. Vemos pintores, poetas e músicos como seres iluminados, gênios inalcansáveis quando na verdade eles são apenas gente como a gente. Claro que nem todos temos a facilidade, o chamado "dom" artístico, mas se cada um passar a expressar, a expor, a se expor ao mundo como ser criativo veremos que o potencial está em cada um de nós e que o belo e a arte não estão cercados de mistérios e segredos a serem desvendados por poucos. A arte está na expressão concreta (seja por palavras, imagens ou gestos) e expontânea do sentimento e pensamento humano.
   Esse blog se propoem justamente a isso: expor criações minhas como forma de mostrar às pessoas o que eu penso, o que eu faço, sem medo. Sem medo? Mentira. Eu morro de medo. Tenho medo de críticas, de risadas, do fracasso, mas ,sobretudo, como muitos, tenho medo de me expor. Não é apenas a minha típica e intrínseca (olhei no google como se escreve. Ia botar intríceco) timidez. É o medo real de me expor como pessoa para o mundo.
Enfim, espero que gostem. E se não gostarem espero quem me digam o porquê. Tenho já alguns textos prontos que postarei em breve e alguns ainda sendo trabalhados e alguns desenhos que acho que vou colocar também.
   Obrigado então por ler e, sei lá, divulguem aí por favor.