sábado, 27 de novembro de 2010

Alterego II: Besta

        Em uma reflexão e depois de ter ouvido isso algumas vezes eu cheguei a uma conclusão (talvez, em parte, quase uma decisão): eu sou besta.
        Eu sou besta em minhas doces e inocentes ilusões, sou besta quando me reprimo por mera timidez. Sou besta quando qualquer elogio me desarma e me desconcerta completamente, sou besta quando me sinto ruborizar por causa de uma exposição qualquer. Sou besta em minhas piadas e brincadeiras, sou besta quando evito cortar o cabelo ou titar foto 3x4. Sou besta quando tenho medo. Principalmente esse medo besta de fazer besteira. Em minha mente eu vôo com besteiras e bobagens e com isso eu, besta que sou, me divirto em minhas viagens.
        Na aula agora escrevo essa besteira e , de repente, o professor fala: "para calcular o torque eu, que não sou besta [mentira. Ele é completamente abestalhado], coloco o eixo aqui". Levantei a cabeça e olhei-o. Ele me olhou de volta. Sorri. Ele não entendeu. "Deve ter achado que eu sou veado", pensei eu abestalhado.

;)

sábado, 20 de novembro de 2010

Malditas memórias
Passado de minha história
Malditos sorrisos, perdidos
Maldita beleza
De alegria e tristeza
Malditos olhares demorados
Somente a contemplar
Apaixonados

Malditas lembranças
Maldita noite de dança
Malditos cabelos em trança
Uma rede que balança
Numa noite quase perdida
Inacabada
Numa noite de despedida
Para sempre acabada

Maldito e doce beijo
Maldito e doce passado
Que eu ainda desejo

sábado, 13 de novembro de 2010

BORA BAHIA MINHA PORRA!!!

e agora??? e agora, mermao?
e agora que minha porra do meu bahia é primeira, é serie A porra! e agora que meu tricolor voltou porra!
caralho. raras vezes tive tanta dificuldade em expressar em palavras o que eu sinto :) ainda bem!

chora, avine. chora, meu filho


BAHIA , ESTAREMOS CONTIGO
TU ÉS MINHA PAIXÃO
NÃO IMPORTA O QUE DIGAM
SEMPRE ESTAREI CONTIGO
MEU MANTO TRICOLOR
E NO PEITO ESQUADRÃO
PITUAÇO ME ESPERA
PRA COMEÇAR A FESTA
REFRÃO:
XALAIALAIA XALAIALAIA XALAIALAIA
VAMOS SUBIR ESQUADRÃO
BAHÊAAA, ESTAREMOS CONTIGO!
VOCÊ É MINHA PAIXÃO!
NAO IMPORTA O QUE DIGAM..
SEMPRE LEVAREI COMIGO...
MINHA FAIXA TRICOLOOOR
E NO PEITO O ESQUADRÃOO...
PITU(AÇO) ME ESPERA..
PARA COMEÇAR A FESTA....
XALALALAIA....XALALALAIAAA...
XALALALAIAAA...
VAMO SUBIR ESQUADRÃO...

foda-se se a letra é do inter. sabe por que? porque nós somos da turma tricolor, somos a voz do campeão, somos do povo o clamor e ninguem nos vence em vibração!



e só pra não deixar passar. subimos sim, mas deppois de quantos anos???

pra quem não sabe ou não quis procurar: 7 anos

sábado, 6 de novembro de 2010

Feliz Aniversário!

Por que parabenizar uma pessoa após ela completar mais um ano de vida? Por ter conseguido sobreviver? Convenhamos, para nós não foi tão difícil.
Acho que quando se trata de uma pessoa a quem nós amamos devemos parabenizá-la todos os dias por serem quem são, mas para seguir a convensão escolhi essa data para dar-lhe as felicitações.

Parabéns por ser linda (de corpo e alma), por ser amiga, amável e amada.
Parabéns por conseguir me fazer postar esse texto.
Parabéns por ser uma pessoa decente, gentil e inteligente do seu jeito particular de ser.
Parabéns por ser compreensiva e determinada
Parabéns por ser você.
Parabéns! Pouco pelo seu aniversário e mais pela pessoa maravilhosa que você se tornou desde aquela primeira festa de tema havaiano a 12 anos atrás.

Desculpe não poder ir à sua comemoração, mas ainda teremos uma vida inteira para celebrar a amizade e os próximos aniversários. Enfim, parabéns, tudo de bom para você, felicidades, boa sorte, sucesso e FELIZ ANIVERSÁRIO. Espero que se divirta bastante hoje.
Um beijo ENORME!

Guh!

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Embolada da Morte (poesia rítmica)

A morte anda no mundo
Trajada num manto preto
Matando de casa em casa
Assustando os vilarejos

Vem montada num cavalo
Cavalgando contra o vento
Vai chegando no silêncio
Com seu bafo pestilento

Todo corpo que ela toca
Logo a vida se entorta
Com seu dedo fino seco
Toca a mão do esqueleto
Morre o branco e morre o preto
Quem sobrar morre de medo

O escuro manto da morte
Quando cai sobre a cidade
Mata o fraco e mata o forte
Não há dó nem piedade

Quando o manto se desfaz
Vê-se a calamidade
Deixa a morte para trás
O fedor da sua maldade