sexta-feira, 27 de maio de 2011

Foda-se o texto mal escrito. Vale mais a ideia

Sinceramente, é de uma tremenda covardia o Ministério Público da Bahia proibir a marcha na véspera data para qual essa estava marcada já a muito tempo, não dando espaço para a discussão e debate sobre o assunto.
O MP-BA demonstra a mesma truculência com a qual agiu ano passado ao agir da mesma forma. Não é coincidência. 
Acreditem. Um dia nós ainda vamos mudar a forma como se tomam as decisões nesse país. Um dia ainda terão que enfrentar a coragem e a convicção da sociedade brasileira lutando pelo que acredita ser correto. E acredite, não vai haver burocracia que impeça que a justiça finalmente seja feita e nossos direitos finalmente respeitados.
O MP não representa a sociedade baiana de forma alguma. Os hospitais públicos, a educação, a cidade de Salvador parecem ser temas menos importantes do que a proibição Marcha, direito que me foi concedido na constituição de 1988, a Constituição Cidadã pela qual tantos deram suas vidas. É essa mesma constituição que hoje foi desrespeitada mais uma vez.
Penso: se estivéssemos a 30 ou 40 anos atrás, será que a atitude seria diferente? Será quês as pessoas que dirigem o Estado e me representam e por mim lutam, eleitas ou não, seriam diferentes? Como um órgão pode lutar por mim se ele não me escuta e, inclusive, me força a calar a boca? As respostas a que chego não me animam. Penso no poeta baiano Gregório de Matos que teve sua Boca do Inferno calada, isolada. Penso em outro poeta, Caetano, que com a mesma Boca também estes versos cantou e que também foi calado e me surpreendo como estes versos continuam sendo tão atuais e verdadeiros.

“Triste Bahia...”
                    Gregório de Matos, Caetano Veloso, Gustavo Lima O’Dwyer e toda a Sociedade Baiana

sexta-feira, 20 de maio de 2011

\o/

... essa foi a única reação que tive quando vi esse vídeo. Mesma reação foi compartilhada por Dri :)


sexta-feira, 6 de maio de 2011

...poesia dos sentidos

Gostaria de deixar bem claro que esse texto não é meu, mas é um dos mais belos poemas que eu já li em minha vida e, por isso mesmo, eu gostaria de compartilhar ele aqui.
É um texto de uma grande amigo que o tempo afastou, um verdadeiro exemplo.
A leitura é bem difícil, pelo menos para mim, por causa das lágrimas que enchem os olhos e embaçam a visão.

Com vocês: Ewerton Lacerda e a... 

...poesia dos sentidos

Olhos se fecham,
Se vão
Se perdem  na incompreensão,
Choram
Mas sao eternos.

Bocas se calam,
Metem
Beijao loucamente,
Morrem
Mas deixam palavras para o sempre.

Ouvidos sao surdos,
Burros
Fingem nao escutar,
Zumbem
Mas ouvem palavras que não vão acabar.

São os sentidos
Do prazer
Do viver
Do morrer
Do partir
Do sorrir,
Do amar, sim do amar
Que nos enganam
Que nos fazem acreditar,
Que nos deixam assim chorados, apaixonados
Ao ver mais um cego nos deixar
Mais um mudo
Um surdo
Um sentido, enganado, mas amado,
O sentido de quem ama, que se engana
Que não se importa em chorar.

Foi lindo ver o sentido não morrer,
Não esconder, a verdadeira incerteza
Foram surdos, mudos e cegos
Enfim foram eternos,
Pois são assim que eles são.

São eles vivos,
Os sentidos
O amar
O falar
O chorar,
o não deixar de acreditar
que olhos são eternos,
que bocas só falam o inesquecível
e que ouvidos só ouvem o que não vai acabar,
só sabe quem ama,
quem se engana,
na verdade,
 da mais pura verdade
enfim quem sabe que sentir é eterno.

Por Ewerton Lacerda,
Dedicado a Gustavo O’Dwyer
Em homenagem àqueles que merecem estarem juntos.
20/06/09

E eu agradeço